História

A Escola Adventista Professor Bell, foi fundada em 1973, iniciando suas atividades em 1974, quando deu entrada no Conselho Estadual de Educação, com os documentos exigidos para a legalização da mesma. No dia 29 de novembro de 1974, saiu no Diário Oficial o parecer nº 297/74, favorável à autorização. 
O nome “Professor Bell”, deve-se ao primeiro professor adventista que iniciou suas atividades como mestre em Battle Creeck – Estados Unidos.

As atividades oficiais da escola iniciaram-se no ano 1974, quando deu entrada no Conselho Estadual de Educação, com os documentos exigidos para a legalização da mesma. No dia 29 de novembro de 1974, saiu no Diário Oficial o parecer nº. 297/74, favorável à autorização.

A pessoa que teve a iniciativa de estabelecer uma escola foi o Pastor Darcy Reis. Faziam parte da comissão da Igreja que passou a organizar a escola: Paulo Martinho, José Nascimento, Lourdes Chagas e Almerinda Oliveira.

   Dona Lourdes tinha grande desejo que seu filho estudasse na Escola Adventista,  e empenhou-se na busca de alunos de porta em porta na comunidade e arredores da escola, auxiliando-a, neste trabalho, a Leovaldina Santos de Sã. Este fato é bastante recorrente na formação de outras escolas adventistas, com certeza, é algo significativo no que diz respeito à sua identidade.

Com a construção do prédio da Igreja Adventista, a escola passou a funcionar, definitivamente, no antigo espaço que a igreja usava para os cultos com seus membros. Os irmãos referiam-se, a escola da “casinha velha”.
Para a fundação e funcionamento da escola colaboraram as mesmas pessoas que formavam a Comissão da Igreja, mais os professores. A escola cresceu, continuamente, justificando assim que, a filosofia educacional adventista, baseada em princípios cristãos, faz a diferença.

 A primeira diretora e professora chamavam-se Jucy da Silva Reis, que iniciou o ano letivo de 1973, com 52 alunos de 1ª a 4ª séries. Um bom começo merecia sem dúvida, o acompanhamento das bênçãos de Deus. 
Os documentos da escola, bem como os registros de histórico feitos, dão conta de uma escola que começou modesta com uma série de precariedades, mas que sempre avançou. No começo não havia sala de aula apropriada. A escola funcionou um bom tempo apenas com parecer, tendo que posteriormente passar por uma avaliação para validação dos estudos elaborados, obtendo autorização de funcionamento pela portaria nº 07391/79, com base no parecer nº 297/74 

No que diz respeito aos planos de estudos, projeto político pedagógico e outros documentos que marcam a filosofia da escola são inequívocos a sua vocação religiosa, sempre identificada com os valores cristãos e uma Educação Integral Restauradora. Como no seu humilde início, a escola continua no mesmo processo, ou seja, transformando jovens à imagem de Seu Criador.
  No ano de 1974, a escola contava com 52 alunos. Jucy da Silva Reis era diretora e professora. Também ministrava aulas a professora Ione Fortes. A primeira secretária foi Ruth Fritsche.

      Em 1975 a diretora e professora era Jucy Reis Bragança. Os demais professores eram: Sueli V. Julio e Cerony Kern. A secretária era Ruth Fritsche e a escola contava com 61 alunos
            No ano de 1976, Geci Cézar assume a direção e também a sala de aula. Os professores eram: Suely V. Julio e Maria Elena da S. Bittencourt. A secretária continuava sendo Ruth Fritsche e a escola manteve o mesmo número de alunos do ano anterior.
 A diretora, sabendo das dificuldades que a escola enfrentava no seu início, doou móveis da própria casa para mobiliar a escola. Foi realizada uma Escola Cristã de Férias, onde muitos alunos, graças ao trabalho desenvolvido, matricularam-se na nova escola, pequena, mas cheia de amor e fé em Cristo Jesus.

  Em 1977, Geci Cézar continuou na direção e teve como professoras: Suely, Miriã, Zilnei, Maria e Paulina. A secretária passou a ser Lucila Garcia e a escola aumentou para 103 alunos. Dando seguimento ao trabalho no ano seguinte, (1978) Geci Cézar contava com as professoras Maria, Ivoni e Ivony e secretária Lucila Garcia. O número de alunos aumentou para 144 crianças. Possivelmente, o fato marcante em 1978, foi a inauguração da Biblioteca. A responsável pela organização da mesma foi Suely Júlio. Por sua dedicação, após sua morte, em homenagem a biblioteca recebeu seu nome, como forma de homenageá-la. 

            Ivony Sirley dos Santos assumiu a escola em 1979 e 1980. As professoras eram: Leci, Ana, Elonira e Alda. Secretária: Lucila Garcia. A escola aumentou para 150 alunos. Neste ano, em 17/04, foi autorizado o funcionamento da Escola de 1º Grau Incompleto Adventista Professor Bell sob o nº da Portaria de autorização 07391/79, Diário Oficial 20/04/1979.

          No ano seguinte, 1981, Dirceu Lopes assume a direção e, Lucila Garcia, que tempos depois assumiria a direção, continuou auxiliando na secretaria. Os professores da época eram: Marília Betat, RaqueL. Reinrich, Marlene dos Santos e Elenara Predebom.

          Em1982, Edite Zazyki Araújo assume como diretora, e ficou no comando por dois anos. A secretária passou a ser Terezinha Silva Zazyki. A mesma permaneceu no cargo até o ano de 2001. O número de professores aumentou para seis e o de alunos para 231. Nessa época, a escola contava com duas salas conjugadas de madeira, em estado precário atrás da igreja.

          A sala da direção era ao mesmo tempo secretaria e tesouraria. Foi adquirida uma máquina de escrever manual, marca Olivetti. Também foi iniciada uma poupança visando à construção de um novo prédio. Um pedido para o funcionamento de novas séries foi encaminhado. Pinturas e reparos foram realizados.

Apesar das difíceis condições físicas e estruturais da escola, a educação adventista se fortalecia ainda mais no bairro. Eram realizadas diversas campanhas para angariar fundos para a construção de um novo prédio. Os próprios pais doavam mobiliários e trabalhavam voluntariamente para ver esse sonho se tornar realidade. Desfiles Pátrios e outros programas eram realizados divulgando ainda mais o nome da escola.

          De 1984 a 1986, a professora Yolanda Morsch dos Reis, esteve à frente da escola como diretora. Novos esforços foram feitos para conseguir aprovação da planta da escola, mas as condições eram cada vez mais precárias. O velho prédio recebeu a visita do prefeito de Porto Alegre, Dr. Alceu Colares, que, ao percorrer as salas, pisou num dos inúmeros buracos que havia no assoalho. Mesmo com a ilustre visita, a escola continuou com os próprios recursos e campanhas na comunidade. Foram feitas visitas a SMOV e entrevistas com Dr. Colares na prefeitura.

          Edite Zazyki Araújo assume novamente a escola em 1987, contando com 230 alunos e apenas três professores. Apesar das dificuldades, era necessário aumentar as séries e, por isso foi prometida aos pais à implantação da 5ª série do ensino fundamental, para o próximo ano.

         De 1988 a 1991 o diretor foi Eliseu Prates dos Reis. Foi intensificada a busca para aprovação da planta e começaram algumas demolições e reformas. Duas salas de aula foram construídas. A secretaria passou a funcionar numa sala da igreja, junto à sala das Dorcas, (Departamento da igreja) em condições um tanto desconfortáveis.
        A escola adquiriu a liberação da documentação para implantação da 5ª série. Mais um importante passo estava sendo dado em direção a ampliação da escola. 

        Em 1990, o número de alunos passou para 363 alunos e contava com nove professores. Nessa época o tesoureiro era Arno Kümpel e a monitora chamava-se Verônica Mattos. Ainda em 1990 passou a funcionar de Ed. Infantil à 5ª série e encaminhou-se a documentação para implantar a 6ª série. Foi construído um novo prédio com três salas, sendo um para a administração. O banheiro feminino foi remodelado, foram adquiridas mesas e cadeiras para os alunos e sala dos professores. Ocorreram lindas programações durante o ano letivo.

         Em 1991 o número de alunos passou a ser 502. Sem dúvida, uma grande conquista. A escola precisava ampliar seu quadro de funcionários para atender esse significativo acréscimo de alunos. Quinze professores passaram a integrar o grupo, além de mais dois funcionários: Edson Luís Freitas da Silva, como monitor, Luizélia Pinzon Bom na Supervisão e Orientação. Verônica Mattos passou a ser bibliotecária.

A escola já funcionava de Educação Infantil à 6ª série, e iniciou-se o encaminhamento da documentação para implantação de 7ª e 8ª séries do Ensino Fundamental. A construção continuava, e também foi concluído  um banheiro exclusivo para pré-escola.
          De 1992 a 1994 o diretor era Moisés Manir Sarquiz, e passaram a fazer parte da administração Gislaine F. de Oliveira no lugar Luizélia Pinzon Bom. Solange C. Souza iniciou na escola como auxiliar de secretaria. Apesar do número de alunos diminuírem neste ano, (410 alunos) a escola manteve o mesmo número de professores.

          Ainda em 1992, a construção foi acabada, foi feito um gramado na frente da escola, jardinagem e também inauguração das novas instalações. As aquisições foram diversas: mobílias para salas de aula, laboratório, secretaria, etc. 
          Vários programas foram realizados durante o ano, dando um dinamismo especial à escola: programa em homenagem às mães, pais, festas, dentre outros. Também ocorreu a I Feira de Ciências, na história da escola. Para o programa de reinauguração da escola foram confeccionadas maquetes, tanto da antiga quanto da nova escola.

          No ano de 1993, Dilene Monteiro Gomes Ebinger assume a orientação educacional. A escola consegue investir em tecnologia e passa a ter uma melhor estrutura. O fato mais relevante neste ano foi a 1ª formatura de alunos da 8ª série. No ano seguinte Antonio Carlos Chaves Barreto assume a tesouraria. Foram adquiridos muitos materiais, dentre eles: Livros para a biblioteca, máquina de xerox – Holerite, material pedagógico e plantas para ornamentação da escola. Enciclopédia Barsa, retro-projetor, ventiladores, projetor, dois kits para laboratório, mapas diversos, globo, material recreativo para pré-escola, coleções de slides de ciências e história, cortinas para as salas de aula, máquina de escrever elétrica. Neste ano, foi realizada a organização da biblioteca, sendo feita uma catalogação rigorosa de todos os livros, mapas e assinaturas de periódicos.

Os programas realizados foram: homenagem às mães. Campanha/gincana pró-biblioteca,  (foram adquiridos vários livros, exclusivamente, de pesquisa: dicionários, enciclopédias, livros específicos para cada área) gincana da recolta, (coleta de alimentos não perecíveis, roupas, calçados, papéis, jornais, revistas, listas telefônicas e garrafas vazias de refrigerantes e distribuição posterior para entidades assistenciais) passeata ecológica (com alunos de 5ª e 6ª séries com cartazes alusivos à ecologia, em  manifestação com todos os alunos com objetivo de conseguir quebra-molas e semáforos nas ruas próximas à escola). Foi realizada também a feira de ciências.

Em 1994, a escola passa a contar com uma auxiliar para secretaria, Vânia dos Reis B. Machado. Dilene Monteiro Gomes Ebinger assume a coordenação pedagógica e Gislaine Fortes de Oliveira a supervisão escolar. Nesse ano, o número de alunos era 471, 12 funcionários e 17 professores.

Em 1995, José Humberto Laureano Cardoso assume como diretor, e a escola era conhecida como Centro Educacional Adventista do Partenon e contava com 18 professores. Dilene Monteiro Gomes Ebinger assume as funções de coordenação e supervisão escolar. Neste ano, houve um acréscimo de alunos, passando a contar com 536, destes, 108 eram adventistas. 
Edite Zazyki Araújo assume a direção pela terceira vez, em 1996, e comanda a escola até 2001. Mariléia Lopes F. Fontoura assume como Tesoureira. Passa também a fazer parte do quadro de pessoal Celina de Freitas Tauber, com coordenadora e supervisora escolar. 

Em 1996 a escola possuía 526 alunos, 16 professores e 10 funcionários, destes, Moyses dos Santos, passa a atuar como guarda/ vigia noturno.

No ano seguinte, (1997) Luiz Carlos Morais Gomes, assume a função de Coordenador de Disciplina e Marlene T.Noal Araújo como Orientadora Educacional. Nesse ano, a escola perde alguns alunos e diminui para 510. Aumenta um professor (17) e diminui um funcionário, ficando com nove servidores. A escola passa a se chamar: Escola Adventista de Ensino Fundamental do Partenon.

Em 1998, a escola começa a reconquistar o número de alunos, de 510, para 523, destes 27% eram Adventistas. Aumenta também o corpo docente, de 17 para 19 professores. Celina de Freitas Tauber ocupa novamente as duas funções na Coordenação. 

Nos anos seguintes, o número de alunos oscilou bastante. Em 1999 eram 546. No ano seguinte (2000) caiu para 501 e em 2001 o número reduziu ainda mais, e a escola passou a contar com apenas 455 alunos. Em 2002 o número aumentou para 502 e no ano seguinte caiu para 474 alunos.

De 2000 a 2003, Ione Margarete Miranda atuou como Supervisora - SOP (Serviço Orientação Pedagógica) e Raquel Tossin como Coordenadora - SOE (Serviço de Orientação Educacional). Em 2001/2 e 2002, José Adalmiro Fontoura Cardoso assume a direção da escola, e junto com ele, Verônica assume o cargo de Secretária por um ano, função esta que vinha sido desempenhada por Teresinha Zazyki por 19 anos. 

No ano de 2003, ocorrem mudanças significativas: Suzana Ludwig Mendonça passa a desenvolver a função de secretária, Jairo Menezes Fernandes ocupa o cargo de Tesoureiro, Mardoqueu Pires assume a escola por meio ano como diretor. No segundo semestre, José de Paula passa a ser diretor e, fica no cargo até 2008. Nesse ano, foi adquirido o 3º terreno, que foi muito importante para a expansão da escola. Também foi feita uma recomendação para implantação do Ensino Médio.

Em 2004 ocorre nova mudança de tesoureiro e Edilton Barragan passa atuar na área financeira. Elisabete Cardoso assume o SOP e Neiva Correia dos Santos o SOE. A escola contava com 18 professores e 12 funcionários. O número de alunos diminui para 421. Mudanças eram necessárias para que a escola retomasse sua força, aumentando o número de alunos e o prestígio na comunidade. 

No ano de 2005, o número de alunos aumentou para 479. Os professores também aumentam, de 18 para 21. A escola, devido a um trabalho evangelístico em parceria com a igreja, estabeleceu uma nova congregação no Bairro Glória. Durante o ano, foi realizado distribuição de folhetos, visitação na comunidade, semana de oração, conferências e classes bíblicas.  Um novo grupo passou a funcionar neste local. Era a escola cumprindo sua missão de evangelismo.

O ano de 2006 foi marcante para a escola, pois foi implantado o 1º ano do Ensino Médio, com 44 alunos, e, logicamente, aumentando para 23 o quadro de professores. O número de alunos caiu para 455, apesar do início do Ensino Médio. A escola passa a chamar-se Colégio Adventista do Partenon. Ainda neste ano, Carmem de Freitas Silva assume o SOE, Guenny Fabrício Andrade como Administrador Financeiro e Márcia Teresinha dos Santos como Secretária do colégio. Foi um ano marcado pela inauguração do novo espaço de Educação Infantil e por muitos desafios, atividades e semanas especiais realizadas pelo colégio.

Em 2007 funcionou o 2º ano do Ensino Médio, e o colégio recebeu autorização definitiva de funcionamento do mesmo, pois no ano anterior funcionava com o nome do Colégio Adventista de Porto Alegre (CAPA). O colégio contava com 14 funcionários e 23 professores. Nesse ano, passaram pelo colégio dois administradores financeiros, os quais desempenharam a função por um período de tempo bem curto. 

No ano de 2008, um novo tesoureiro assume a função por dois meses e na seqüência é substituído por Éder Amador Ferreira, que desempenha a função durante um ano. Em 2008, ocorre a 1ª formatura de Ensino Médio do Colégio Adventista do Partenon. Dos 44 alunos que iniciaram o 1º ano, apenas 14 concluíram. O Ensino Médio e a Educação Infantil tiveram que ser extintos neste ano. O colégio teria que passar por uma nova etapa e se reestruturar para dar seguimento às atividades escolares de 1º ano a 8ª série.

Em 2009, muda a administração do colégio, Joel dos Santos assume como Administrador Escolar, Maria Silva de Oliveira Nunes como Coordenadora Pedagógica, Rosidete Ribeiro dos Santos como secretária, Victor Hugo da Rosa Aguiar como Administrador Financeiro, (a partir do 2º semestre) e Elton de Lima Alves Júnior como pastor capelão. Ocorre uma grande reestruturação no quadro de professores e funcionários. O colégio passou a ter 15 funcionários e 16 professores. Com a extinção da Educação Infantil e do Ensino Médio, baixou para 404 o número de alunos. 

O ano de 2009 foi marcado por inúmeras ações solidárias, destacando-se a construção de uma casa de alvenaria, construída do alicerce ao telhado, atendendo uma família de alunos carentes de nossa escola. As ilhas do Guaíba e outras entidades beneficentes também foram beneficiadas com roupas, alimentos, brinquedos e dinheiro entregues pelos alunos, que recoltaram centenas de brinquedos e roupas, tonelada de alimentos e mais de R$ 6.000,00, (recolta record na Asr) motivados pela I Gincana Radical. Durante o ano, foram realizadas inúmeras atividades, projetos, aquisições diversas, reformas, implantação de oficinas terceirizadas e outros. Também foi encaminhada a documentação para reabertura da Educação Infantil e finalizado o projeto de construção da escola.

 

Em 2011 a escola conta com a seguinte equipe administrativa Joel dos Santos como administrador escolar, o qual ficou até janeiro de 2013, Victor Hugo da Rosa como administrador financeiro, o qual ficou até janeiro de 2012,  Maria Nunes como coordenadora pedagógica, Nádia Manica como orientadora educacional Pastor Junior Novaes como capelão, Sandra Nunes secretaria, e Jean Germanni como coordenador de disciplina, com varias atividades entre elas em destaque a reinauguração do colégio no dia 7 agosto com novas instalações a escola esta preparada pra receber mais uma vez o ensino médio iniciando em 2012 uma nova turma de 1º ano, ano em que chega para trabalhar conosco o tesoureiro Samuel Caliari.

 

Em 2013 a instituição passa por mudanças na equipe administrativa, assume o Sr. Ernandi Dziedicz como administrador escola, ficando até julho de 2014,  na coordenação pedagógica a Sra. Selma Dziedicz, foi um ano de muitas atividades lúdicas e pedadagógicas que vieram a contribuir para a interação na comunidade escolar. Contamos com muitos passeios pedagógicos, entre eles o marcante saída para o parque aquático Acqualokos no início de dezembro. Foi um ano realmente muito produtivo, o qual antecede o ano de comemoração dos 40 anos do Colégio Adventista Partenon (CAP) onde a direção emprenhou-se para agendar as comemorações e os projetos para o grande ano de aniversário de nosso querido colégio.

 

Chegado o grande ano do aniversário (2014) do CAP, a instituição passará por grandes e formidáveis eventos de comemoração de quatro décadas formando cidadãos de destaque. Nesse ano maravilhoso a equipe sofre novas modificações. Em Agosto de 2014temos a seguinte equipe administrativa : Administrador Escolar o Sr. Isaac Rosa dos Santos, administrador financeiro o Sr. Samuel Caliari, as secretárias Janete Cavalheiro e Márcia Mendes, a Coordenadora Pedagógica a Sra. Luciane Dias, a Orientadora Educacional Milene Ibeiro Rosa e o Capelão Pastor Fábio Pinheiro. A escola já conta com uma grande estrutura, são 43 funcionários, entre corpo administrativo, corpo docente e equipe de apoio, além de adquirirmos o terreno ao lado do colégio para expandirmos nossa estrutura escolar.  Está sendo um ano de grandes bênçãos de nosso querido DEUS.

A Escola Adventista Professor Bell, foi fundada em 1973, iniciando suas atividades em 1974, quando deu entrada no Conselho Estadual de Educação, com os documentos exigidos para a legalização da mesma. No dia 29 de novembro de 1974, saiu no Diário Oficial o parecer nº 297/74, favorável à autorização. 
O nome “Professor Bell”, deve-se ao primeiro professor adventista que iniciou suas atividades como mestre em Battle Creeck – Estados Unidos.

As atividades oficiais da escola iniciaram-se no ano 1974, quando deu entrada no Conselho Estadual de Educação, com os documentos exigidos para a legalização da mesma. No dia 29 de novembro de 1974, saiu no Diário Oficial o parecer nº. 297/74, favorável à autorização.

A pessoa que teve a iniciativa de estabelecer uma escola foi o Pastor Darcy Reis. Faziam parte da comissão da Igreja que passou a organizar a escola: Paulo Martinho, José Nascimento, Lourdes Chagas e Almerinda Oliveira.

   Dona Lourdes tinha grande desejo que seu filho estudasse na Escola Adventista,  e empenhou-se na busca de alunos de porta em porta na comunidade e arredores da escola, auxiliando-a, neste trabalho, a Leovaldina Santos de Sã. Este fato é bastante recorrente na formação de outras escolas adventistas, com certeza, é algo significativo no que diz respeito à sua identidade.

Com a construção do prédio da Igreja Adventista, a escola passou a funcionar, definitivamente, no antigo espaço que a igreja usava para os cultos com seus membros. Os irmãos referiam-se, a escola da “casinha velha”.
Para a fundação e funcionamento da escola colaboraram as mesmas pessoas que formavam a Comissão da Igreja, mais os professores. A escola cresceu, continuamente, justificando assim que, a filosofia educacional adventista, baseada em princípios cristãos, faz a diferença.

 A primeira diretora e professora chamavam-se Jucy da Silva Reis, que iniciou o ano letivo de 1973, com 52 alunos de 1ª a 4ª séries. Um bom começo merecia sem dúvida, o acompanhamento das bênçãos de Deus. 
Os documentos da escola, bem como os registros de histórico feitos, dão conta de uma escola que começou modesta com uma série de precariedades, mas que sempre avançou. No começo não havia sala de aula apropriada. A escola funcionou um bom tempo apenas com parecer, tendo que posteriormente passar por uma avaliação para validação dos estudos elaborados, obtendo autorização de funcionamento pela portaria nº 07391/79, com base no parecer nº 297/74 

No que diz respeito aos planos de estudos, projeto político pedagógico e outros documentos que marcam a filosofia da escola são inequívocos a sua vocação religiosa, sempre identificada com os valores cristãos e uma Educação Integral Restauradora. Como no seu humilde início, a escola continua no mesmo processo, ou seja, transformando jovens à imagem de Seu Criador.
  No ano de 1974, a escola contava com 52 alunos. Jucy da Silva Reis era diretora e professora. Também ministrava aulas a professora Ione Fortes. A primeira secretária foi Ruth Fritsche.

      Em 1975 a diretora e professora era Jucy Reis Bragança. Os demais professores eram: Sueli V. Julio e Cerony Kern. A secretária era Ruth Fritsche e a escola contava com 61 alunos
            No ano de 1976, Geci Cézar assume a direção e também a sala de aula. Os professores eram: Suely V. Julio e Maria Elena da S. Bittencourt. A secretária continuava sendo Ruth Fritsche e a escola manteve o mesmo número de alunos do ano anterior.
 A diretora, sabendo das dificuldades que a escola enfrentava no seu início, doou móveis da própria casa para mobiliar a escola. Foi realizada uma Escola Cristã de Férias, onde muitos alunos, graças ao trabalho desenvolvido, matricularam-se na nova escola, pequena, mas cheia de amor e fé em Cristo Jesus.

  Em 1977, Geci Cézar continuou na direção e teve como professoras: Suely, Miriã, Zilnei, Maria e Paulina. A secretária passou a ser Lucila Garcia e a escola aumentou para 103 alunos. Dando seguimento ao trabalho no ano seguinte, (1978) Geci Cézar contava com as professoras Maria, Ivoni e Ivony e secretária Lucila Garcia. O número de alunos aumentou para 144 crianças. Possivelmente, o fato marcante em 1978, foi a inauguração da Biblioteca. A responsável pela organização da mesma foi Suely Júlio. Por sua dedicação, após sua morte, em homenagem a biblioteca recebeu seu nome, como forma de homenageá-la. 

            Ivony Sirley dos Santos assumiu a escola em 1979 e 1980. As professoras eram: Leci, Ana, Elonira e Alda. Secretária: Lucila Garcia. A escola aumentou para 150 alunos. Neste ano, em 17/04, foi autorizado o funcionamento da Escola de 1º Grau Incompleto Adventista Professor Bell sob o nº da Portaria de autorização 07391/79, Diário Oficial 20/04/1979.

          No ano seguinte, 1981, Dirceu Lopes assume a direção e, Lucila Garcia, que tempos depois assumiria a direção, continuou auxiliando na secretaria. Os professores da época eram: Marília Betat, RaqueL. Reinrich, Marlene dos Santos e Elenara Predebom.

          Em1982, Edite Zazyki Araújo assume como diretora, e ficou no comando por dois anos. A secretária passou a ser Terezinha Silva Zazyki. A mesma permaneceu no cargo até o ano de 2001. O número de professores aumentou para seis e o de alunos para 231. Nessa época, a escola contava com duas salas conjugadas de madeira, em estado precário atrás da igreja.

          A sala da direção era ao mesmo tempo secretaria e tesouraria. Foi adquirida uma máquina de escrever manual, marca Olivetti. Também foi iniciada uma poupança visando à construção de um novo prédio. Um pedido para o funcionamento de novas séries foi encaminhado. Pinturas e reparos foram realizados.

Apesar das difíceis condições físicas e estruturais da escola, a educação adventista se fortalecia ainda mais no bairro. Eram realizadas diversas campanhas para angariar fundos para a construção de um novo prédio. Os próprios pais doavam mobiliários e trabalhavam voluntariamente para ver esse sonho se tornar realidade. Desfiles Pátrios e outros programas eram realizados divulgando ainda mais o nome da escola.

          De 1984 a 1986, a professora Yolanda Morsch dos Reis, esteve à frente da escola como diretora. Novos esforços foram feitos para conseguir aprovação da planta da escola, mas as condições eram cada vez mais precárias. O velho prédio recebeu a visita do prefeito de Porto Alegre, Dr. Alceu Colares, que, ao percorrer as salas, pisou num dos inúmeros buracos que havia no assoalho. Mesmo com a ilustre visita, a escola continuou com os próprios recursos e campanhas na comunidade. Foram feitas visitas a SMOV e entrevistas com Dr. Colares na prefeitura.

          Edite Zazyki Araújo assume novamente a escola em 1987, contando com 230 alunos e apenas três professores. Apesar das dificuldades, era necessário aumentar as séries e, por isso foi prometida aos pais à implantação da 5ª série do ensino fundamental, para o próximo ano.

         De 1988 a 1991 o diretor foi Eliseu Prates dos Reis. Foi intensificada a busca para aprovação da planta e começaram algumas demolições e reformas. Duas salas de aula foram construídas. A secretaria passou a funcionar numa sala da igreja, junto à sala das Dorcas, (Departamento da igreja) em condições um tanto desconfortáveis.
        A escola adquiriu a liberação da documentação para implantação da 5ª série. Mais um importante passo estava sendo dado em direção a ampliação da escola. 

        Em 1990, o número de alunos passou para 363 alunos e contava com nove professores. Nessa época o tesoureiro era Arno Kümpel e a monitora chamava-se Verônica Mattos. Ainda em 1990 passou a funcionar de Ed. Infantil à 5ª série e encaminhou-se a documentação para implantar a 6ª série. Foi construído um novo prédio com três salas, sendo um para a administração. O banheiro feminino foi remodelado, foram adquiridas mesas e cadeiras para os alunos e sala dos professores. Ocorreram lindas programações durante o ano letivo.

         Em 1991 o número de alunos passou a ser 502. Sem dúvida, uma grande conquista. A escola precisava ampliar seu quadro de funcionários para atender esse significativo acréscimo de alunos. Quinze professores passaram a integrar o grupo, além de mais dois funcionários: Edson Luís Freitas da Silva, como monitor, Luizélia Pinzon Bom na Supervisão e Orientação. Verônica Mattos passou a ser bibliotecária.

A escola já funcionava de Educação Infantil à 6ª série, e iniciou-se o encaminhamento da documentação para implantação de 7ª e 8ª séries do Ensino Fundamental. A construção continuava, e também foi concluído  um banheiro exclusivo para pré-escola.
          De 1992 a 1994 o diretor era Moisés Manir Sarquiz, e passaram a fazer parte da administração Gislaine F. de Oliveira no lugar Luizélia Pinzon Bom. Solange C. Souza iniciou na escola como auxiliar de secretaria. Apesar do número de alunos diminuírem neste ano, (410 alunos) a escola manteve o mesmo número de professores.

          Ainda em 1992, a construção foi acabada, foi feito um gramado na frente da escola, jardinagem e também inauguração das novas instalações. As aquisições foram diversas: mobílias para salas de aula, laboratório, secretaria, etc. 
          Vários programas foram realizados durante o ano, dando um dinamismo especial à escola: programa em homenagem às mães, pais, festas, dentre outros. Também ocorreu a I Feira de Ciências, na história da escola. Para o programa de reinauguração da escola foram confeccionadas maquetes, tanto da antiga quanto da nova escola.

          No ano de 1993, Dilene Monteiro Gomes Ebinger assume a orientação educacional. A escola consegue investir em tecnologia e passa a ter uma melhor estrutura. O fato mais relevante neste ano foi a 1ª formatura de alunos da 8ª série. No ano seguinte Antonio Carlos Chaves Barreto assume a tesouraria. Foram adquiridos muitos materiais, dentre eles: Livros para a biblioteca, máquina de xerox – Holerite, material pedagógico e plantas para ornamentação da escola. Enciclopédia Barsa, retro-projetor, ventiladores, projetor, dois kits para laboratório, mapas diversos, globo, material recreativo para pré-escola, coleções de slides de ciências e história, cortinas para as salas de aula, máquina de escrever elétrica. Neste ano, foi realizada a organização da biblioteca, sendo feita uma catalogação rigorosa de todos os livros, mapas e assinaturas de periódicos.

Os programas realizados foram: homenagem às mães. Campanha/gincana pró-biblioteca,  (foram adquiridos vários livros, exclusivamente, de pesquisa: dicionários, enciclopédias, livros específicos para cada área) gincana da recolta, (coleta de alimentos não perecíveis, roupas, calçados, papéis, jornais, revistas, listas telefônicas e garrafas vazias de refrigerantes e distribuição posterior para entidades assistenciais) passeata ecológica (com alunos de 5ª e 6ª séries com cartazes alusivos à ecologia, em  manifestação com todos os alunos com objetivo de conseguir quebra-molas e semáforos nas ruas próximas à escola). Foi realizada também a feira de ciências.

Em 1994, a escola passa a contar com uma auxiliar para secretaria, Vânia dos Reis B. Machado. Dilene Monteiro Gomes Ebinger assume a coordenação pedagógica e Gislaine Fortes de Oliveira a supervisão escolar. Nesse ano, o número de alunos era 471, 12 funcionários e 17 professores.

Em 1995, José Humberto Laureano Cardoso assume como diretor, e a escola era conhecida como Centro Educacional Adventista do Partenon e contava com 18 professores. Dilene Monteiro Gomes Ebinger assume as funções de coordenação e supervisão escolar. Neste ano, houve um acréscimo de alunos, passando a contar com 536, destes, 108 eram adventistas. 
Edite Zazyki Araújo assume a direção pela terceira vez, em 1996, e comanda a escola até 2001. Mariléia Lopes F. Fontoura assume como Tesoureira. Passa também a fazer parte do quadro de pessoal Celina de Freitas Tauber, com coordenadora e supervisora escolar. 

Em 1996 a escola possuía 526 alunos, 16 professores e 10 funcionários, destes, Moyses dos Santos, passa a atuar como guarda/ vigia noturno.

No ano seguinte, (1997) Luiz Carlos Morais Gomes, assume a função de Coordenador de Disciplina e Marlene T.Noal Araújo como Orientadora Educacional. Nesse ano, a escola perde alguns alunos e diminui para 510. Aumenta um professor (17) e diminui um funcionário, ficando com nove servidores. A escola passa a se chamar: Escola Adventista de Ensino Fundamental do Partenon.

Em 1998, a escola começa a reconquistar o número de alunos, de 510, para 523, destes 27% eram Adventistas. Aumenta também o corpo docente, de 17 para 19 professores. Celina de Freitas Tauber ocupa novamente as duas funções na Coordenação. 

Nos anos seguintes, o número de alunos oscilou bastante. Em 1999 eram 546. No ano seguinte (2000) caiu para 501 e em 2001 o número reduziu ainda mais, e a escola passou a contar com apenas 455 alunos. Em 2002 o número aumentou para 502 e no ano seguinte caiu para 474 alunos.

De 2000 a 2003, Ione Margarete Miranda atuou como Supervisora - SOP (Serviço Orientação Pedagógica) e Raquel Tossin como Coordenadora - SOE (Serviço de Orientação Educacional). Em 2001/2 e 2002, José Adalmiro Fontoura Cardoso assume a direção da escola, e junto com ele, Verônica assume o cargo de Secretária por um ano, função esta que vinha sido desempenhada por Teresinha Zazyki por 19 anos. 

No ano de 2003, ocorrem mudanças significativas: Suzana Ludwig Mendonça passa a desenvolver a função de secretária, Jairo Menezes Fernandes ocupa o cargo de Tesoureiro, Mardoqueu Pires assume a escola por meio ano como diretor. No segundo semestre, José de Paula passa a ser diretor e, fica no cargo até 2008. Nesse ano, foi adquirido o 3º terreno, que foi muito importante para a expansão da escola. Também foi feita uma recomendação para implantação do Ensino Médio.

Em 2004 ocorre nova mudança de tesoureiro e Edilton Barragan passa atuar na área financeira. Elisabete Cardoso assume o SOP e Neiva Correia dos Santos o SOE. A escola contava com 18 professores e 12 funcionários. O número de alunos diminui para 421. Mudanças eram necessárias para que a escola retomasse sua força, aumentando o número de alunos e o prestígio na comunidade. 

No ano de 2005, o número de alunos aumentou para 479. Os professores também aumentam, de 18 para 21. A escola, devido a um trabalho evangelístico em parceria com a igreja, estabeleceu uma nova congregação no Bairro Glória. Durante o ano, foi realizado distribuição de folhetos, visitação na comunidade, semana de oração, conferências e classes bíblicas.  Um novo grupo passou a funcionar neste local. Era a escola cumprindo sua missão de evangelismo.

O ano de 2006 foi marcante para a escola, pois foi implantado o 1º ano do Ensino Médio, com 44 alunos, e, logicamente, aumentando para 23 o quadro de professores. O número de alunos caiu para 455, apesar do início do Ensino Médio. A escola passa a chamar-se Colégio Adventista do Partenon. Ainda neste ano, Carmem de Freitas Silva assume o SOE, Guenny Fabrício Andrade como Administrador Financeiro e Márcia Teresinha dos Santos como Secretária do colégio. Foi um ano marcado pela inauguração do novo espaço de Educação Infantil e por muitos desafios, atividades e semanas especiais realizadas pelo colégio.

Em 2007 funcionou o 2º ano do Ensino Médio, e o colégio recebeu autorização definitiva de funcionamento do mesmo, pois no ano anterior funcionava com o nome do Colégio Adventista de Porto Alegre (CAPA). O colégio contava com 14 funcionários e 23 professores. Nesse ano, passaram pelo colégio dois administradores financeiros, os quais desempenharam a função por um período de tempo bem curto. 

No ano de 2008, um novo tesoureiro assume a função por dois meses e na seqüência é substituído por Éder Amador Ferreira, que desempenha a função durante um ano. Em 2008, ocorre a 1ª formatura de Ensino Médio do Colégio Adventista do Partenon. Dos 44 alunos que iniciaram o 1º ano, apenas 14 concluíram. O Ensino Médio e a Educação Infantil tiveram que ser extintos neste ano. O colégio teria que passar por uma nova etapa e se reestruturar para dar seguimento às atividades escolares de 1º ano a 8ª série.

Em 2009, muda a administração do colégio, Joel dos Santos assume como Administrador Escolar, Maria Silva de Oliveira Nunes como Coordenadora Pedagógica, Rosidete Ribeiro dos Santos como secretária, Victor Hugo da Rosa Aguiar como Administrador Financeiro, (a partir do 2º semestre) e Elton de Lima Alves Júnior como pastor capelão. Ocorre uma grande reestruturação no quadro de professores e funcionários. O colégio passou a ter 15 funcionários e 16 professores. Com a extinção da Educação Infantil e do Ensino Médio, baixou para 404 o número de alunos. 

O ano de 2009 foi marcado por inúmeras ações solidárias, destacando-se a construção de uma casa de alvenaria, construída do alicerce ao telhado, atendendo uma família de alunos carentes de nossa escola. As ilhas do Guaíba e outras entidades beneficentes também foram beneficiadas com roupas, alimentos, brinquedos e dinheiro entregues pelos alunos, que recoltaram centenas de brinquedos e roupas, tonelada de alimentos e mais de R$ 6.000,00, (recolta record na Asr) motivados pela I Gincana Radical. Durante o ano, foram realizadas inúmeras atividades, projetos, aquisições diversas, reformas, implantação de oficinas terceirizadas e outros. Também foi encaminhada a documentação para reabertura da Educação Infantil e finalizado o projeto de construção da escola.

 

Em 2011 a escola conta com a seguinte equipe administrativa Joel dos Santos como administrador escolar, o qual ficou até janeiro de 2013, Victor Hugo da Rosa como administrador financeiro, o qual ficou até janeiro de 2012,  Maria Nunes como coordenadora pedagógica, Nádia Manica como orientadora educacional Pastor Junior Novaes como capelão, Sandra Nunes secretaria, e Jean Germanni como coordenador de disciplina, com varias atividades entre elas em destaque a reinauguração do colégio no dia 7 agosto com novas instalações a escola esta preparada pra receber mais uma vez o ensino médio iniciando em 2012 uma nova turma de 1º ano, ano em que chega para trabalhar conosco o tesoureiro Samuel Caliari.

 

Em 2013 a instituição passa por mudanças na equipe administrativa, assume o Sr. Ernandi Dziedicz como administrador escola, ficando até julho de 2014,  na coordenação pedagógica a Sra. Selma Dziedicz, foi um ano de muitas atividades lúdicas e pedadagógicas que vieram a contribuir para a interação na comunidade escolar. Contamos com muitos passeios pedagógicos, entre eles o marcante saída para o parque aquático Acqualokos no início de dezembro. Foi um ano realmente muito produtivo, o qual antecede o ano de comemoração dos 40 anos do Colégio Adventista Partenon (CAP) onde a direção emprenhou-se para agendar as comemorações e os projetos para o grande ano de aniversário de nosso querido colégio.

 

Chegado o grande ano do aniversário (2014) do CAP, a instituição passará por grandes e formidáveis eventos de comemoração de quatro décadas formando cidadãos de destaque. Nesse ano maravilhoso a equipe sofre novas modificações. Em Agosto de 2014 temos a seguinte equipe administrativa : Administrador Escolar o Sr. Isaac Rosa dos Santos, administrador financeiro o Sr. Samuel Caliari, as secretárias Janete Cavalheiro e Márcia Mendes, a Coordenadora Pedagógica a Sra. Luciane Dias, a Orientadora Educacional Milene Ibeiro Rosa e o Capelão Pastor Fábio Pinheiro. A escola já conta com uma grande estrutura, são 43 funcionários, entre corpo administrativo, corpo docente e equipe de apoio, além de adquirirmos o terreno ao lado do colégio para expandirmos nossa estrutura escolar.  Está sendo um ano de grandes bênçãos de nosso querido DEUS.